terça-feira, 18 de outubro de 2016

SENTI CIUMES DO NAMORADO DA MINHA PRIMA

conto de gabriel

Técnicamente, Michelle não é minha prima,já que sou adotado. Michelle é filha da irmã da minha mãe adotiva ,mas eu sempre considerei ela mais que uma prima:Michelle é quase uma irmã prá mim.

 Sempre a vi como uma  garotinha e nem percebi que ela tinha crescido e se transformado numa mulher. Além disso, Michelle era uma menina normal, não fazia o tipo gostosona, era quieta,eu achava  ela até meio sem graça. Por  isso,estranhava quando Rodrigo,o  namorado  dela , a elogiava, dizia que ela era gostosa e vivia exibindo ela.

Ele colocava ela no colo e  falava : - ela é muito gostosa, adoro minha cabritinha. Todo mundo concordava com ele,mas depois ficavam rindo dele pelas costas,inclusive eu.

Foi num dia, em que estavamos uma chácara, Michelle e o namorado sairam prá fazer uma trilha, eu sai prá conhecer o local, acabei me perdendo. Ate que vi os dois. Já estava indo falar com eles,quando percebi o que estavam fazendo : Pietro,o namorado dela,estava deitado na grama,  e minha prima estava  com o rosto  encostado no peito dele. Ele acariciava os cabelos dela e falava com ela, carinhosamente,
 
Em meio a essas carícias,  Michelle foi desafivelando o cinto dele, abriu a sua calça, desceu o zíper e enfiou a mão por dentro e tirou o pau dele prá fora. Ficou masturbando Pietro, lentamente,enquanto beijava ele. O pau foi endurecendo na mãozinha dela e entâo ela foi se abaixando, esfregando o pau no rosto,no nariz,e aos poucos foi lambendo, e de vez em quando,olhava prá ele e murmurava alguma coisa. Ele  esticava o braço e acariciava os cabelos dela.
-
 Ela passou a  chupá-lo bem gostoso e às vezes dava uma parada bem no meio   e mordia, mordia com força e ele gemia, eu comecei a morrer de inveja do namorado da minha prima,pelas expressões  de prazer dele, deveria estar uma delícia.

 Ela foi  descendo a   lingua pelo pau dele até chegar em suas bolas,   chupava suas bolas e  punhetava o pau dele,  ao mesmo tempo.

Pietro falou alguma coisa e minha prima, olhou
   prá ele com uma cara de sacana,  deu um sorrisinho e  ainda olhando prá ele,  continuou passando                 a língua na cabeça do pau dele e  foi descendo, lambia todo, parava e dava mordidinhas na cabeça, beijava de novo,  colocava ele todo na boca, até o fim, ele segurava  a cabeça  dela,como se estivesse deseperado.  

enquanto chupava, Michelle sorriu e falou alguma coisa prá ele. Ele respondeu, parecia estar gemendo.
Minha priminha safada,  engolia de novo  até sumir todo na  garganta , chupava,  lambia,  voltava a chupar.  

Michelle  chupava tão gostoso o pau do  namorado,que parecia ser a coisa mais gostosa do mundo. Ela parecia chupar com prazer, os olhos dela brilhavam,ela olhava prá ele com admiração,com tesão,eu comecei a ficar excitado. Ela enfiava e tirava da boca,tantas vezes  ,que chegava a babar na vara  dele.

Num determinado momento ele tirou o pau da   boca  de Michelle , puxando o rosto dela prá beijar a sua boca,selvagemente e falou alguma coisa prá ela.
De onde eu estava eu não conseguia ouvir, mas,como tenho a imaginação fértil, imaginei um diálogo:

- você continuar me chupando desse jeito vou encher a sua boca de porra!
Ela olhava   nos olhos dele e  pedia com cara de
puta :
  - Goza ,filho da puta ,  !! Enche a minha boca com a sua porra que eu vou engolir tudo!

O que eu sei é que ele  enlouqueceu de tesão. E antes de voltar a chupá-lo,  ela olhou prá ele,com aquele olhar apaixonado que todo homem quer receber.,aquele olhar de satisfação,da mulher que gosta de dar prazer ao seu homem. Como não invejar um cara desses?
-
Depois  voltou , a abocanhar a   rôla  ,  punhetando vigorosamente e chupando a cabecinha. Não consegui ouvir,mas percebi que ele gemia.

Michelle,então, começou   a punhetar bem devagar enquanto lambia a cabeça, depois  foi acelerando, acelerando mais, acelerando mais ainda,  ele se esticou, começou  a se contorcer e ela falou alguma coisa prá  ele,mesmo   com a boca cheia:

Ele falou alguma coisa,ela respondeu e ele falou de novo...Ele mal acabou de falar e já foi esguichando um forte jato de porra na boca de Michelle,   escorrendo pelos lábios. Ela abocanhou o pau todo e foi engolindo.

  Michelle  chupava a cabeça do seu pau com força, fazendo pressão na cabeça e assim, puxando mais porra pra   boca. Ele tremia o corpo ,se contorcendo,

Quando ele parou de gozar  ,  ela  continuou chupando o   pau  ,e olhando prá ele,com cara de puro êxtase, de quem sente prazer em fazer o seu amor feliz.

Levantaram-se e se beijaram na boca, e ele já estava começando a tirar a blusa dela,quando começou a chover e eles sairam correndo.Eu também procurei um lugar prá me abrigar.

 Chegamos molhados, minha prima ainda me olhou desconfiada, mas nâo disse  nada. A partir desse dia, sempre que via minha prima,  sentia ciúmes do passado dela e inveja dos seus namorados.                    

terça-feira, 6 de setembro de 2016

TRAIÇÃO (5)

No post de hoje,trago mais um conto sobre traição.Wan trai o marido com um amigo.É possível ter amizade assim,entre sexos diferentes,sem a tentação de transar ?

CASADA E FELIZ
Conto de Wan.

Escrever um relato desses talvez só me faça bem, assim sendo, achei melhor escrever e deixar que saíssem os demônios do passado. O que aconteceu tem exatos 4 anos no mês de junho. Eu havia conhecido um cara, detalhe sou casada e naquela época estava quase que em Lua de Mel, bem conheci um cara maravilhoso. Alegre, bem humorado, viajado, bem sucedido, cabeça, muito cabeça. Ele também era casado. Inicialmente pensei que teríamos apenas uma amizade. Eu estava recém casada e ele casado. Mas as minha amigas, sempre falavam das aventuras sexuais dele.

Inicialmente fiquei meio chateada. Achava que a minha amizade era uma coisa legal, e vi que ele era mais que amigo de uma série de mulheres. Bem as aventuras sexuais, se por um lado me davam uma certa raiva, nojo de um comportamento galinha e promíscuo, não posso negar que me deixavam um pouco enciumada e até mesmo, excitada. Algumas falavam que ele era um animal na cama, que tinha um pênis gigantesco, que falava palavrão, que dava tapa, que tratava a gente como vagabunda na cama. E eu pensava, ele tem cara de safado, mas tem uma cara de bom garoto. Olhos azuis, forte, inteligente. Não combinava com o ogro que era descrito.

Bem, de tanto ouvir, acabei prestando mais atenção nele. Eu não me excitava com a possibilidade de ir pra cama com ele, mas achava divertido. Eu ficava ofegante sempre que o via. Ficava com vontade de fazer perguntas mais quentes, mas no fundo nossa amizade impedia.

Um dia de tarde estava almoçando com algumas amigas, e eis que uma comenta que havia estado com o meu amigo na cama na noite anterior. Falou que era um absurdo de bom, que o único inconveniente é que o pênis dele era imenso demais. Vindo de uma amiga muito saidinha, quase galinha, a mesa inteira perguntou, “é grande assim?” fazendo vários gestos com a mão. Ela apenas comentava que é uma coisa colossalmente grande. Todas ficaram extremamente curiosas, não era excitação, era curiosidade.

Acabando o almoço, fui pagar o estacionamento do shopping e quem eu encontro, de terno e gravata? Meu amigo que havia sido o alvo dos comentários. Ele vem até mim. Não sei por que, mas falei, “Aí você anda muito falado nas rodas femininas” Ele desconversou e me deu um beijo, eu por culpa de duas caipirinhas de saquê com morango, falei no ouvido dele “Falaram que seu pau é do tamanho de um braço, fiquei curiosa.” Ele, se assustou. E respondeu no meu ouvido :”Mentira, é pequenininho, você precisa ver”. E riu, saindo e me deixando no vácuo.

Aquilo foi à senha. Esqueci que tanto eu quanto ele éramos casados e dei uma corrida. Segurei ele e falei, agora eu quero ver. Ele só me olhou, não falou absolutamente nada. Me pegou pelo braço e deu a entender para eu segui-lo. Ele foi direto para o estacionamento VIP. Ainda sem falar nada. Minha respiração ofegante. Ele mexia nas minhas costas. Na minha nuca, mas não falava nada. Eu estava sem graça, estava zonza. Não sabia o que estava fazendo. O resultado, assim que entrei no carro dele, ele me deu um beijo de arrancar a minha alma. Nunca nenhum homem havia me beijado com aquela vontade. Pegou o carro e fomos direto para um motel.

Em lá chegando, ele me agarrou, nem deixou que eu subisse e começou a me agarrar ainda na escada do motel. Ali eu vi, pela primeira vez um homem com um pênis super dotado. Detalhe meu marido é muito bem servido neste ponto e bem acima da média, mas o deste meu amigo, era uma coisa realmente de assustar. Ele me agarrava, me pressionava contra a parede, metia de leve. Eu pedia me fode, aí ele me estocou com força, vi estrelas, mas a esta altura estava louca. E ele metia, me colocou deitada na cama agarrava minha bunda e fez o melhor papai com mamãe que eu já fiz. Me comia com vontade, me dava tapa na cara, na bunda, me chamava de puta, de piranha, coisas que , sem moralismo, até aquele momento eu nunca havia feito. Vim por cima, o pau dele não cabia todo em mim.

Era uma coisa enorme, grossa, mas deliciosa por tudo em volta e o que acontecia. Era praticamente do tamanho de minha coxa. Um dia relatando com amigas, posso garantir que tinha mais de 25 cm. Era uma coisa que não parecia humano. Transamos por 3 horas sem nos falarmos direito. Engraçado até irmos para cama era o homem que eu mais falava e ali, tudo o que eu queria era sexo, era vontade, era tapa, era o pau grande dele, era o beijo. Nem vi a hora passar. Fiquei assustada. Estava vermelha no rosto, medo que ficasse marcado. No rosto ele não me marcou, mas minha cintura, minha coxa e minha bunda estavam irremediavelmente marcadas e eu iria dar um jeito de tentar me explicar ao meu marido.

Claro que sempre existe castigo, naquela noite meu marido chegou com um presente, um ursinho e um brinco de presente. Me senti culpada e jurei nunca mais ver este meu amigo. Que me deu a melhor transa da minha vida. Depois dele apimentei minha relação, coloquei meu marido mais pra cima.

Mas no dia, eu em senti culpada, uma puta. E quando meu marido metia, eu sentia falta do pênis do meu amigo bem dotado, assim eu acabei me soltando mais e meu marido disse que foi nossa melhor transa. Na verdade eu pulava, me mexia mais para sentir. Berrava me fode, me come com vontade, bate na minha bunda. Parecia que eu estava incorporada. Estava com a xoxota um pouco esfolada pela camisinha e por um pau enorme, mas acabei dando ao meu marido uma noite inesquecível.

E eu me sentindo uma puta e culpada, mas me sentindo mulher, amada e bem comida sabia que era uma nova fase da minha vida. Sobre o meu amigo, ele continua casado. Evito ve-lo, mas agora eu consigo ve-lo, deseja-lo e saber que não deve rolar nada.

Nos falamos por mensagem,pela rede social,mas evito o contato. Ele me deixa com a respiração ofegante de falar no telefone. Mas com certeza foi o cara que me desvirginou de verdade, tirou a virgindade da minha alma. Me ensinou em poucas horas a ser mulher. Eu agradeço, meu marido agradece. Sou feliz, sou mulher e foi à única infidelidade em todo meu casamento. E valeu a pena.(http://erotismoemletras.blogspot.com/ )

 

 

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

TRAIÇÃO (3)
No post de hoje,mais um conto do tema "traição",que relata uma experiência excitante,de uma mulher curiosa e deixa ma dúvida.Traição consentida ainda é traição ?.
-


UMA BOA EXPERIÊNCIA
conto de Paula Andrade

 

Olá. Eu me chamo Ana, sou casada a 10 anos, tenho 35 anos dois filhos de 6 e oito anos. Meu marido Marcelo tem 39 anos e moramos no Rio de Janeiro, próximo à capital.

Há quatro anos construímos nossa casa própria com dois pavimentos sendo o segundo com apenas dois quartos e o restante da área, bem grande, é dividida em parte coberta e parte aberta. A parte coberta pode ser utilizada para realização de algum evento da família e como área de descanso o que é mais comum. A área aberta utilizamos para tomar sol e como sabem no Rio de Janeiro é bastante intenso.

Na rua ao lado em outro quarteirão existe um prédio de apartamentos de onde é possível a visão de nossa casa por parte dos moradores. Eu e meu marido temos mente aberta para falarmos de coisa intimas de um casal entre eu e ele, fantasias de cada um.

Não me casei virgem. Tive dois namorados anteriores ao meu casamento e pequenos relacionamentos efêmeros. Sempre tive um corpo senão de modelo, mas que provoca atenção. Meu marido também possui um corpo bem feito e um membro sexual bem avantajado. Em mais de uma ocasião já fui cantada, mesmo com aliança no dedo. Apesar da nossa opinião liberal (com restrições) sobre comportamento sexual não tivemos envolvimento com outras pessoas, casais ou não.

Me referi com alguns detalhes sobre a minha casa devido ao fato da relação com o que aconteceu conosco a um ano exatamente.

Em uma determinada noite quando estávamos eu e marido em um restaurante ali próximo , uma moça, não percebei que era casada, nos cumprimentou e demonstrando educação, amabilidade, me disse que havia me visto em frente à minha casa, que era praticamente nossa vizinha e morava em um prédio próximo na outra rua e que já havia me visto em outro momento e que gostaria de me conhecer pessoalmente. De igual maneira educada se despediu.

Ao passo de quatro dias eu estava em uma padaria próxima à nossa casa quando de repente a vejo novamente com suas feições orientais me cumprimentou. Disse que morava ali havia menos de um ano, que seu marido era engenheiro de uma multinacional, não tinham filhos e também não havia feito nenhuma amizade no bairro. Em seguida passou-me um cartão do seu marido com telefone residencial inclusive. Disse a ela que que me visitasse assim que possível.

Despedimos e ela me deu um beijo mais que comum no rosto. O assim que possível foi possível muito rápido pois no outro dia, à tarde ela estava em minha casa. No horário que ela chegou não havia nada para fazer e conversamos sobre trivialidades até que o assunto passou a ser sexo.

Segundo ela casou-se com 19 anos e que não era virgem desde os dezesseis. No entanto, nesta época começou-se a interessar também mulheres apesar de manter namorando homens e ter se relacionado com eles até se casar com o Marcelo, seu marido. Era do conhecimento dele o seu gosto por mulheres e ela se relacionou com uma jovem de 17 anos por mais de três meses, tendo seu marido participado com ela e ter comido a moça. O seu marido é brasileiro, não tendo ascendência japonesa. Em relação a ela a tara do seu marido sempre foi o fato de as japonesas não depilarem ou manter cabelos bem compridos na região mais acima da buceta e como também um pouco de lado. O cabelo das bucetas das japonesas quase sempre é liso ao contrário das demais mulheres que são encaracolados.

Segundo ela num primeiro momento me viu como uma pessoa de fácil amizade e que até o momento não havia amigas naquele bairro, mesmo que somente amigas. No entanto, entendeu que havia possibilidade de que eu pudesse me tornar sua amiga e que caso concordasse, alguma coisa mais. Perguntou-me sobre meu relacionamento com meu marido e de que forma eu via pensava sobre relacionamentos sexuais extra matrimonio. Falei das minhas fantasias e do meu marido, mas até o momento não havia cogitado a participação de uma mulher, mas apenas de outro homem e que também isso não havia ocorrido, mas que era algo que projetávamos. Ela confirmou que era exatamente esta a primeira impressão que teve por isto que ela estava ali e que ficava contente.

Devido à necessidade de buscar meus filhos na escola e ela de ter que ir nos despedimos com ela prometendo voltar. Me deu um cartão do seu marido com endereço e telefone pessoal. A sua despedida foi com um beijo na minha boca.

Minha cabeça deu algumas voltas, mas o que pensávamos eu e meu marido, estava em vias de se realizar-se. Quando meu marido chegou contei a ele o sucedido. Me perguntou qual foi a minha reação e eu disse não ter achado ruim e que a japa é bem bonita, mas que sabe o marido dela não seria melhor. Ele me pareceu meio com ciúme. Eu preferi que ela voltasse em minha casa mais uma vez antes de visita-la.

Ai ela já forçou mais um pouco, com mais intimidade e beijos mais provocantes. Me disse que havia me visto tomando sol no terraço e que eu e meu marido somos muito atraentes. Já querendo dar um passo adiante, decidi ir ao apartamento dela, inclusive para uma avaliação melhor sobre tudo. Chegando lá foi recebida de forma tão alegre pela japinha com aquele gesto característico de inclinar a cabeça, que a mim me causou bem-estar. Imediatamente foi mostrando o seu apartamento muito bem equipado, a vista geral da área e deu para perceber que daquele local a visão da minha casa era bem nítida. Claro que eu fui ali já prevendo que algo mais sério poderia acontecer.

E não deu outra: ela abraçou-me com mais intensidade, beijando meus lábios, pescoço e passando suas mãos pelo meu corpo. Eu estava vestida com uma saia, blusa de malha e deste jeito ficou para ela começar a explorar. Passou as mãos pela minha bunda já com por baixo da saia e num lance rápido enfiou as mãos por baixo da blusa e do sutiã abocanhando meus seios. Eu senti uma atração diferente, minha buceta começou a ter movimentos e umedecer. Devagar ela foi me levando para o seu quarto e continuando com os carinhos me deitou na cama e sobre mim. Rapidamente foi tirando minha roupa e em seguida a sua. Elogiou o meu corpo, beijando mamando nos meus seios e sem perder tempo invertendo as posições beijando a minha buceta já molhadinha. Nesta posição eu estava de cara para a seu sexo e eu me vi diante de uma buceta com cabelos volumosos, lisinhos e muito negros acima da racha. A minha reação imediata foi beijar aquele sexo lindo e percebi que no alto da fenda havia uma protuberância bem saliente: era o seu grelo excitado com pelo menos 4 centímetros e eu não me contive e passei a lamber e o seu néctar já era abundante. Pedi para ela parar pois tinha que buscar os meninos. Ela não se opôs apesar de que o nosso desejo era continuar.

Rapidamente me vesti, ela agradeceu a visita e beijamos forte. Eu sai dali desnorteada e fui me refazendo aos poucos. Eu estava dirigindo e deveria estar atenta. Eu tinha avisado ao meu marido que iria retribuir a visita da nossa amiga e quando ele chegou à noite ele olhou pra mim e disse você tem coisas a me dizer. Eu já havia pensado como e até onde falar. A princípio falei de forma generalizada e disse que ela havia atacado. Mas como? Perguntou. Não tive como esconder e contei tudo. Me perguntou sobre o marido dela e eu disse que quando saí ele não havia chegado. Naquela noite ele me comeu com mais tesão que o habitual. Na noite seguinte voltamos a falar sobre o assunto e eu propositalmente falei da hipótese de eventualmente encontrar o marido em casa numa destas visitas. Ele me disse que estaria nos nossos planos que se acontecesse estava previsto.

Fiquei mais tranquila a japinha pediu para que voltasse se possível na próxima sexta feira. Combinado e eu assim o fiz no mesmo horário da outra vez. Chegando lá a mesma recepção mesmas atitudes com uma surpresa o seu marido estava em casa e penso que ela tenha marcado o dia sabendo disso. Me recebeu com carinho e realmente era um cara simpático, bom físico. Pouco tempo depois a japa começou a me fazer carinhos em frente ao marido dela e fiquei um pouco insegura. Mas à medida que a cena se avançava, o marido dela foi também tomando pé da situação e já estávamos no quarto quando ele também começou a entrar na farra. Eu e ela já estávamos peladas então logo ele também despiu-se aparecendo um caralho lindo, volumoso e grande. A japa chupava o caralho do seu marido e com isso ele cresceu mais ainda em seguida ela veio direto na minha buceta molhadinha e ele me chupava os seios com vontade. Passei a mão na buceta dela e percebi o seu grelo estava muito pra fora. Percebendo o tamanho do grelo dela, seu marido a colocou de quatro na cama e mandou-lhe a vara. Ela levantava mais a bunda e rebolava e mesmo naquela posição ele conseguia chupar a minha buceta super molhadinha. Retirou o pau da buceta da japa e me colocou de frango assado. Em mim ele foi colocando mais devagar mas empurrou até colar o saco na testa da minha buceta. Senti a cabeça do seu caralho no meu útero. Enquanto isso ela lhe lambia o cu. Mais um pouco de tempo ela passou um creme no meu cu e ele me colocou de quatro sobre a cama. Pressenti que não ia dar, mas ele insistiu e ela disse que cabia. Ela passou mais creme no pau do seu marido, me beijou a boca e disse a ele para mandar. Ele forçou e a cabeça passou, ele foi pressionando até eu sentir o seu saco. Meu cu não era mais o mesmo, no mínimo duplicou o diâmetro. Ele começou um vai e vem e de repente eu senti jatos fortes de porra no meu intestino, mais um jato e ele me puxou com força contra o seu corpo enquanto sua mulher se enfiou por baixo e me chupava os seios com muita força também depois que ele acabou de jogar toda a porra no meu rabo, tirou seu caralho e mandou que eu chupasse. Ainda foi possível engolir um pouco do seu leite gostoso. Sua mulher virou de bunda pra cima e lábia meu cu aproveitando a porra que saia.

Exaustos e felizes deitamos um ao lado do outro e em menos de uma hora eu já estava em casa. Ao sair foram super gentis com muitos beijos e abraços. À noite quando meu marido chegou os meninos estavam vendo tv e eu estava deitada. Pela minha cara notou que a coisa teve mais quente que a vez passada. Eu primeiro perguntei, sem necessidade, se era para comentar e ele disse sim, deve.

 Contei tudo e ele ficou me olhando como estar em dúvida quando à realidade. Tive um pouco de receio quanto à sua aceitação dessa condição de corno e se era aquilo mesmo que nós queríamos. Algumas marcas no meu corpo como as chupadas da japinha e o meu cuzinho muito vermelho falavam por mim. A japa e seu marido prometeram fazer-nos uma visita tão logo eu fale com eles qual foi a reação do meu marido. Caso positivo, vão retribuir a ele com muita tesão. A japa me disse que onde moravam, cidade grande, eles já praticavam a troca de casais com pessoas saudáveis e que eu estava convidada a integrar a turma nas próximas férias do marido. Esperemos pra ver. (http://www.swingprive.com)

quinta-feira, 28 de julho de 2016

SOGRO DE DAR INVEJA

conto de Laine


Tenho 34 anos, sou casada e mãe de 2 filhos lindos. A historia que vou relatar agora teve inicio ha 9 anos . estava eu casada ha menos de 2 anos quando tudo aconteceu!

Comecei a namorar Pedro quando tinhamos 18 anos. Ele foi meu primeiro namorado, primeiro beijo, primeira transa. nunca trai ele e por isso nunca soube como seria transar com outros homens. Pedro e um homem bonito, masculo, forte, 1. 85cm, e e da marinha mercante. Por causa disso, ele passa muito tempo fora de casa.

Quando tínhamos 23 anos, resolvemos nos casar. Tivemos uma festa super bonita e fomos morar em nossa própria casa. O tempo foi passando e a mãe de Pedro morreu em um acidente de carro. E assim, meu sogro veio morar conosco. Meu sogro era um homem bonitão. Alto, forte, sem barriga, um pouco grisalho, um verdadeiro tesão. Meu sogro era muito gentil comigo. Era como um segundo pai pra mim. Mas as vezes, eu percebia que quando me abraçava, ele fazia questão de me apertar mais do que necessário. E muitas vezes eu conseguia sentir o pau dele encostar em minha barriga. -

Num verão em que fomos para Santos. meu marido saiu pra pescar com uns amigos. meu sogro tinha saído pra praia e eu estava sozinha em casa. Entrei no quarto do meu sogro e quando estava arrumando a cama dele, encontrei uma foto minha. No começo nem liguei, mas quando levantei o travesseiro, tinha mais 2, 3 fotos minhas. De repente ouvi o barulho de alguém chegando. pus as fotos de volta no lugar e fui pra cozinha. Fiquei de costas pra porta cortando uns legumes pro almoco. Meu sogro foi pro quarto, deixou as coisas dele la e veio me cumprimentar como de costume. Mas dessa vez, ele veio por trás, grudou seu corpo suado ao meu e me beijou o pescoço. Ele estava apenas de sunga. Uma sunga vermelha, volumosa, com um pau louco pra foder uma xotinha. Senti que ele estava me beijando demoradamente e virei pra ele. Ele me lascou um beijo na boca e disse que sempre quis me comer e que já que eu tinha descoberto o segredo dele, ele iria me comer.

Fiquei meio sem jeito, afinal ele era um homem e tanto. mas era o pai do meu marido.

Ele levantou minha saia, enfiou a mao dentro da minha calcinha e ficou me acariciando o clitoris. Percebi que nao poderia mais resistir e me deitei sobre a pia. Ele me pegou no colo e me levou ate seu quarto. Me deitou na cama e tirou minha calcinha. Ele caiu de boca na minha xotinha e eu nunca tinha sentido uma lingua tao agil. Nem meu marido era assim. Ele ficou me chupando e eu gozando feito cachoeira. Ele tirou minha blusinha, beijou e sugou meus mamilos. E me beijou na boca. A boca dele era maravilhosa.

Carnuda e com barba por fazer, aquilo me espetava, mas me deixava mais excitada ainda. Ele se levantou e finalmente tirou a sunga. E para o meu delirio, saltou um mastro enorme, grosso, cheio de veias saltadas, uma verdadeira obra de arte. O pau do meu sogro deveria ter mais ou menos uns 23 cm enquanto meu marido nao passava dos 16 cm. Fiquei ate com medo de ser comida por um pau tao grande.

Antes de me penetrar, deitei ele na cama e beijei todo seu corpo. Aquele peito peludo maravilhoso, aquelas pernas grossas, durinhas. ate que cheguei na rola dele. Comecei dando uma lambidinha na cabeca. deixei ele louquinho fui ate as bolas e chupei uma de cada vez. Voltei pro pau e fiquei chupando. Era tão grande que eu nao conseguia colocar tudo em minha boca. Fizemos um 69 maravilhoso e depois sentei no mastro dele.

Era maravilhoso estar ali sendo muito bem comida pelo meu sogro. Fiquei cavalgando na rola dele e fiz aquele macho gostoso gozar como nunca. Ele disse que a falecida ja nao transava com ele ha muito tempo e que ele procurava prostitutas na rua, mas muitas vezes ficando olhando minhas fotos e batendo uma punheta. Me senti orgulhosa de saber que deixava os outros homens excitados. Ele gozou dentro de mim e me deitei ao lado dele na cama.

Ficamos conversando e depois de perceber que o pau dele ja estava duro de novo, pedi que ele comesse meu cuzinho. Meu marido nunca quis me comer o cuzinho, pois dizia ser anti-higienico. mas eu nao queria nem saber, e meu sogro sem falar nada, me pos de 4 e meteu sua rolona em mim.

Pedi que ele fosse com calma, pois era minha primeira vez e ele ficou indignado como seu filho ainda nao tinha me comido o cu. Ficamos naquele vai e vem gostoso, ate que ele explodiu em gozo dentro do meu cuzinho.

Descansei um pouco, depois me levantei, fui pro banho e voltei pra cozinha. Meu sogro pos sua sunga de novo e voltou pra praia.

Instantes depois, meu marido chegou da pescaria com 2 peixes enormes dizendo ser para o jantar. O coitado do meu marido naquele sol quente pescando e eu e o pai dele nos fodendo no bem bom.

Depois desse dia, eu e meu sogro transavamos com frequencia. Ate que fiquei grávida no começo fiquei com medo de ser filho do meu sogro. Mas apos nascer, meu sogro fez o exame pra saber se era filho dele e o resultado, graças a deus, foi negativo. Como meu marido viaja muito, temos bastante tempo para nossas transas.

Mas hoje em dia, so usamos camisinha. E gracas a deus, meus 2 filhos são filhos do meu marido. E se continuar assim, vamos continuar nesse triangulo sexual por muito e muito tempo. (elainemartinss@hotmail.com)

quarta-feira, 27 de abril de 2016

FIQUEI VICIADA EM NEGROS


Conto de Márcia
mardacruz67@gmail.com



Meu casamento estava passando por uma grave crise, eu me sentia só o tempo todo, meu marido, por causa da profissão vivia viajando, eram longas e constantes viagens, tinha vez que chegava a ficar quase um mês fora, terrível. Estavamos casados a 3 anos, eu já deveria Ter me habituado mas, não, eu não conseguia conceber ficar tanto tempo só, estava com 23 anos (hoje tenho 25).

 Casei-me muito cedo contra a vontade de meus pais, ele foi meu primeiro e único amor, mais paixão, é bem mais velho que eu, tem 38 anos mas bem conservado. Não era culpa dele as constantes ausências, era nosso ganha pão, mas eu não sentia nele vontade alguma de mudar a situação, sei lá procurar outro emprego. . Para sair da monotonia e em busca de novidades resolvi começar a trabalhar, ele me deu total apoio. Como não tenho formação alguma foi difícil, queria algo calmo tipo recepcionista com ambiente alegre, nada!


Comecei a apelar para os anúncios de jornal e um deles me chamou a atenção, tinha um bar, bem situado, que estava contratando garotas para trabalhar de garçonete, era um bar legal, quase uma casa de show de pagode. A seleção foi concorrida, tinha muitas garotas disputando apenas duas vagas, eu fui uma das escolhidas, na entrevista final o entrevistador me falou que eu fui uma das escolhidas por ser jovem, bonita e principalmente por ser casada, eles queriam mais seriedade sem descartar a beleza é claro. Eu sou bem clarinha, loira, olhos azuis, 1, 73 de altura, tenho seios médios e duros, corpo bem formado. Fui informada que meu horário de trabalho seria das 22 as
4 da madrugada, quase desisti por causa disso, mas só de pensar que a maioria das vezes eu ficava só em casa me fez cria ânimo e aceitar. Meu marido não achou muito legal mas vendo que eu estava muito afim de Ter uma atividade deixou mas, me fez prometer que eu continuaria procurando algo mais tranqüilo.

E assim comecei uma nova fase em minha vida, quando ele não estava viajando me levava até o local e ia me pegar na saída, mas como na maioria das vezes ele estava viajando tive que aprender a dirigir e passei a ir de carro. O serviço era simples e divertido, tinha eu mais quatro garotas no total além de alguns rapazes (garçons), eu ficava junta de um deles no bar central, perto da pista de dança apenas servido o pessoal, o local era bem movimentado quase todos os dias, mais nos finais de semana onde vinha os pagodeiros mais famosos tocar, durante a semana iam apenas desconhecidos mas muito bons. O ambiente era freqüentando em sua maioria por negros e mulatos, estranhei um pouco no começo mas me habituei e passei a admirar a ginga e a alegria deles, me chamavam de lora, já tinha pego amizade com os pratas da casa e aprendi muitas piadas, tinha sempre aqueles que não se contentavam apenas em conversar e as cantadas eram inevitáveis mas eu tirava de letra.

Fazia uns 6 meses que eu estava lá, a rotina em casa não tinha se alterado muito apenas eu dei um passo começando a trabalhar, estava mais alegre mas não satisfeita, meu marido já estava fora de casa há 10 dias em mais uma de suas viagens, eu estava super carente, quase subindo pelas paredes, nessa noite não sei o que me deu e resolvi caprichar no visual, queria chamar a atenção masculina para satisfazer meu ego, gostava quando recebia cantadas mais ousadas, não demonstrava para não incentivar os caras e dar falsas idéias, aquela noite eu ia dar uma cordinha. Era Quarta-feira, o movimento não estava tão grande, normal para aquele dia, tinha muito garotos e garotas dançando na pista, o movimento no bar estava fraco, no canto do bar eu percebi um homem, me aproximei dele e perguntei o que gostaria de tomar, ele deu um sorriso gostoso e uma dose de conhaque, anotei e fui apanhar, voltei em seguida e o servi, perguntei se queria mais alguma coisa e ele disse que não, por enquanto, perguntou meu nome e se apresentou, geralmente não sou de ficar dando trela para desconhecidos mas ele era muito simpático, tinha um sorriso lindo, ele me falou que era a primeira vez que tinha ido lá e já estava gostando, principalmente do serviço, entendi o que ele estava insinuando e dei um sorriso espontâneo (normalmente era forçado), ele não era como os outros que eu estava habituada a servi, tinha alguma coisa nele que estava me chamando a atenção, como não tinha muitos clientes pedindo bebidas fiquei um bom tempo conversando com ele, me contou que estava na cidade a trabalho, o hotel que ele estava hospedado ficava próximo e para espantar a solidão resolveu esticar as pernas, não conhecia nada na cidade e custou a achar um local como aquele onde pudesse ouvir boa musica, tomar umas doses de conhaque (sua bebida favorita), viu minha aliança e perguntou a quanto tempo era casada, disse para ele e em seguida me perguntou se meu marido não achava ruim eu trabalhar ali, ainda mais naquele horário, respondi que não mas mesmo se não gostasse eu iria trabalhar lá afinal ele viajava muito e eu precisava de uma distração,

ele brincou dizendo que se fosse com ele não deixaria pois eu era muito bonita, devia Ter várias homens dando em cima, agradeci o elogio mas disse que sabia me cuidar, ele sorriu e pediu mais uma dose, ficamos uns bons minutos conversando, nem percebi que o horário já estava bem avançado, o rapaz que trabalhava no bar comigo veio ao meu encontro e disse que o gerente autorizou a ficar apenas um no bar devido ao baixo movimento, me perguntou se eu queria ir embora mais cedo, perguntei se não teria problema e ele disse que não, na próxima eu ficaria e ele iria, concordei e ia me despedir do meu novo amigo para ir embora, ele tinha ouvido tudo e disse que também estava de saída, perguntou se eu não queria uma carona, estava de táxi mas me levaria sem problemas, respondi que não era necessário pois estava de carro, peguei em sua mão e o contato com ela me deu um arrepio gostoso, era grande e áspera, ele alisou a minha mão e perguntou se eu não queria tomar um drink com ele em outro local, hesitei um pouco, pensei comigo mesma e resolvi aceitar, ainda estava cedo para o horário que eu estava acostumada a chegar em casa, disse para ele esperar que iria tirar o uniforme e já voltaria,

fui ao vestiário, quando estava me trocando fiquei pensando se estava agindo corretamente, sabia me desvencilhar das cantadas e ousadias no balcão, não sei se resistiria a uma investida mais próxima, ele era um Sr. Negro, devia Ter seus 40 anos ou mais, cabelos curtos e levemente branqueados, devia Ter seus 1, 85, era bem mais alto e apesar do rosto denunciar a idade tinha um sorriso lindo e cativante, dentes bem formados e branquíssimos, percebi que estava levemente atraida por ele, fui até o espelho, soltei meus cabelos e sai para me encontra-lo, conversamos ainda mais um pouco na porta e ele me convidou para ir até o hotel onde estava hospedado, não sei o que me deu mas, aceitei, no fundo sabia o que iria acabar acontecendo mas estava sem forças para evitar, ele me atraia, não pela beleza, não era nem um pouco bonito mas pela diferença na cor da pele.

Seguimos até o hotel onde estava conversando alegremente, ele me deixou bem descontraida, rápidamente chegamos, era um hotel muito bonito, estacionei e seguimos para seu quarto, eu o estava seguindo consciente, sabia bem o que podia acontecer e se eu não quisesse poderia cair fora, entramos em seu quarto, era bem aconchegante, ele pediu que eu ficasse a vontade ligou o som e pegou bebida no frigobar, sentei no canto da cama e ele veio me acompanhar, tomamos os drinks e sem que eu pudesse evitar já estavamos nos beijando, era a primeira vez que um negro me beijava, seus lábios eram grossos e carnudos, típico de negros, sua língua era ágil e explorava a minha com competência, eu estava de camiseta, usava uma meia taça por baixo e os bicos de meu seio já denunciavam minha excitação, ele passou as mãos levemente neles e pediu que eu tirasse a camiseta, obedeci e ele habilmente tirou minha meia taça, ficou admirando meus seios empinados e bicudos de tesão, eu estava ofegante, ele se levantou, tirou a camisa mostrando Ter um pouco de barriga, mas um peito largo sem nenhum fio de pelo, seus braços era fortes e másculos, era a minha vez de ficar admirando-o, ele regulou a luz deixando a luminosidade agradável, enquanto ele fazia isso eu já havia tirado minha calça e sandália, fiquei de pé apenas com uma tanguinha
rosa de renda exibindo minhas formas para aquele príncipe de ébano, ele se aproximou de mim, me abraçou e passou a chupar meu pescoço, o toque daquela pele negra em meu corpo me arrepiou produzindo uma sensação maravilhosa, com as mãos alisava minhas generosas nadegas, apesar da pouca preparação eu já estava super lubrificada, ele também estava super excitado pela minha beleza física, dispensamos as caricias iniciais e caimos na cama, ele arrancou minha anguinha deixando minha boceta rosada e encharcada a sua disposição,


 rápidamente se tirou sua calça e um enorme e grosso membro saltou para fora, me assustei um pouco pelo tamanho e grossura, devia Ter mais de 20 cm, sem brincadeira! Dava de 10X0 em meu marido em todos os sentidos, as veias saltavam de excitação, coloquei a mão na cabeçona e passei a alisar com os dedos, fitei-o bem nos olhos e pedi para ele me penetrar devagar, entendeu meu apelo, apontou o mastro na minha portinha, ajudei-o direcionando e com uma certa facilidade colocou a cabeça, senti o que me esperava, apesar de Ter entrado facilmente estava bem justinho, senti que era bem experiente pois não forçou mais a entrada, começou a passar a mão em meus cabelos loiros e me deu seu dedo longo e grosso para chupar, aquilo produziu um efeito devastador, eu fiquei alucinada com seus dedos em minha boca e chupava-os com paixão, como uma cadela no cio eu Tomei a iniciativa, mesmo estando por baixou fui forçando a entrada aproveitando que já estava com a cabeça em meu interior, fiz um movimento rápido e senti aquele cacete me penetrando, ele percebeu minha iniciativa e enfiou o restante numa estocada precisa dei um grito abafado, uma mistura de tesão e dor, não sei como mas consegui receber quase todo seus 20 cm, é difícil até descrever a sensação que tomou em meu corpo, minha boceta deu uma lanceada e mesmo assim estava justo, ele passou a fazer movimentos sincronizados e minha boceta foi se acostumando ajudada pelos líquidos vaginais que escorriam abundantemente e lubrificavam aquela vara em seus movimentos, eu não fechava os olhos em momento algum, queria aproveitar ao máximo aquele momento sendo comida por aquele negrão, sem fazer peso ele se deitou sobre mim passou a chupar meus seios, eu estava enlouquecida, seu membro era quentíssimo, abri bem as pernas e dei um nó em suas costas, não segurei um grito ao chegar ao atingir o orgasmo, ele percebeu que eu estava gozando e me beijou, nossas salivas se misturavam enquanto saia lágrimas de meus olhos, fruto do orgasmo, ele diminuiu momentaneamente as bombeadas e parece Ter ficado apreciando minha expressão no gozo, ficou colocando e tirando ritmicamente, esperando eu me refazer, era realmente muito experiente,

eu nunca tinha gozado daquela forma tão selvagem, ele se segurava com maestria, eu sentia seu membro latejando dentro de mim mas ele não tinha gozado ainda, de repente ele passou a bombear mais rápidamente, fez vários movimentos aproveitando que eu ainda estava encharcada e com tesão, voltei a rebolar no pau dele, sem aviso ele tirou, pediu que eu ficasse de quatro, obedeci, senti sua boca dando uma sugada fenomenal nos lábios da boceta em seguida deu uma enterrada até o cabo, pegou meus seios com as mãos e passou a galopar entro de minha boceta, a sensação é inimaginável. meu corpo dava choques, senti que ele iria gozar e num raro momento de lucidez lembrei-me que estava sem camisinha, soltei os braços para cair e tirar seu cacete mas ele não permitiu, me escorou com as mãos e manteve seu pintão dentro, perdi as forças por causa da excitação, ainda tentei falar mas era inútil, ele tinha virado um animal, suas estocadas estavam mais fortes e rápidas, senti um jato quente de porra me preenchendo, acabei gozando junto e me esqueci por completo da segurança, dois gozos me levaram ao paraíso, não queria deixar aquele mastro sair mais dentro de mim, ele mordiscava meu pescoço por trás enquanto sua porra escorria por minhas coxas, era muita porra, passei a mão e levei até meus seio esfregando o caldo neles, depois desfalecemos.

Não era minha intenção deixar ele gozar dentro, não o conhecia, não era seguro mas devo confessar que sentir a porra abundante e quente dentro de mim me levou a mais um gozo, ele sentiu minha preocupação mas me acalmou dizendo que não era promíscuo, era casado e só transava sem camisinha com a esposa, ele era limpo e não tinha resistido ao calor de minha gruta. Olhei para seu enorme membro, não estava mais do mesmo tamanho mas ainda estava duro, me aproximei e coloquei-o na boca, estava encharcado com meu líquido misturado com sua porra, passei a chupa-lo como se fosse um sorvete de chocolate, dei uma pausa dizendo que teria que ir embora e voltei a engolir, ele entendeu e se liberou, seu membro voltou a ficar duro, agora dentro de minha boca, eu chupava com gosto, rodeava sua cabeçona com a língua, parecia uma puta, comecei a sentir suas veias pulsando e fui surpreendida com um novo jato, agora em minha boca, ele tinha muito vigor pela idade quase engasguei com sua porra em minha boca, engoli uma parte devido a surpresa e o restante escorria nos cantos de minha boca, sai correndo para o banheiro e cuspi discretamente o que não tinha engolido, me lavei e satisfeita comecei a me vestir, ele permanecia deitado, me olhou e disse que iria ficar mais uma noite na cidade, se eu quisesse repetir. .

 respondi que adoraria mas ia depender se meu marido ia chegar ou não da viajem, me despedi e fui embora. No outro dia meu marido chegou, nem fui trabalhar para ficar com ele e acabei não encontrando mais aquele negro fantástico. Continuei trabalhando naquele local mais um ano, a iniciação com aquele senhor foi muito boa para que eu perdesse o medo e começasse a sair com outros homens, depois dele sai com vários diferentes, todos negros e de fora da cidade, confesso Ter ficado viciada em negros, sempre que conhecia um diferente acabava na cama com eles, fiz de tudo que se possa imaginar e não me arrependo nem um pouco, mesmo mudando de emprego e cidade não dispenso um quando tenho oportunidade.


Homens, podem me escrever apenas se forem negros, mulatos e outros com fotos, retribuo com a minha se gostar. Meu email é mardacruz67@gmail.com

domingo, 10 de abril de 2016

MEU CUNHADINHO

MEU CUNHADINHO
 http://mimserloka.blogspot.com.br/p/contos-eroticos.html

MEU NOME É ÂNGELA, SOU MORENA CLARA, OLHOS VERDES, 1,65M, 28ANOS, 58 KG MUITO BEM DISTRIBUÍDOS. SÓ QUEM É MULHER SABE O QUANTO É DIFÍCIL MANTER UM CORPO QUASE PERFEITO, PORQUE, PERFEITO É IMPOSSÍVEL NÃO É MESMO? SÃO HORAS E HORAS DE MUITO SOFRIMENTO EM ACADEMIAS E DE LONGAS CAMINHADAS, SEM CONTAR OS REGIMES E OUTROS TRUQUES PARA DISFARÇAR NOVOS DEFEITOS QUE O TEMPO IMPIEDOSAMENTE NOS “PRESENTEIA”.

CASEI MUITO JOVEM COM CARLOS MESMO CONTRA A VONTADE DOS MEUS PAIS. ESTAVA COMEÇANDO MEU CURSO DE MEDICINA, TINHA NA ÉPOCA APENAS 18 ANOS E CARLOS 27. A CONSTRUTORA COMO DE PRAXE NÃO CUMPRIU O PRAZO DE ENTREGA DO NOSSO APARTAMENTO, E POR INSISTÊNCIA DA MINHA SOGRA FOMOS MORAR COM ELA ATÉ O TÉRMINO DA OBRA, SABE COMO É MÃE, NÃO QUER FICAR LONGE DAS SUAS CRIAS DE JEITO NENHUM. CONFESSO QUE FIQUEI MEIO RECEOSA NO INÍCIO, MAS AOS POUCOS PERCEBI QUE DONA ANNA ERA UMA PESSOA MARAVILHOSA. MORÁVAMOS NA CASA EU, CARLOS MEU MARIDO, DINHO MEU CUNHADINHO ADOLESCENTE E MINHA SOGRA, JÁ QUE MEU SOGRO ERA FALECIDO.

MEU MARIDO E MINHA SOGRA SAÍAM CEDO PRO TRABALHO E SÓ VOLTAVAM À NOITE. CARLOS TRABALHAVA EM UMA MULTINACIONAL E MINHA SOGRA NA ÉPOCA TINHA UMA LOJA DE ARTIGOS FEMININOS EM UM SHOPPING NA CIDADE. DINHO E EU ESTUDÁVAMOS À TARDE, ENTÃO FICÁVAMOS NÓS DOIS NA CASA NO PERÍODO DA MANHÃ, SALVO DUAS VEZES POR SEMANA QUE VINHA UMA DIARISTA PARA FAZER A LIMPEZA MAIS PESADA DA CASA.

DINHO AO CONTRÁRIO DO MEU MARIDO QUE ERA E CONTINUA SENDO UM GATO ATÉ HOJE, NA ÉPOCA ERA UM GAROTO MAGRO, MEIO FRANZINO, COM O ROSTO CHEIO DE ESPINHAS, SUPER TÍMIDO. DINHO ERA O PATINHO FEIO DA FAMÍLIA, MAS ERA UM AMOR DE MENINO, SEMPRE DISPOSTO A ME AJUDAR EM TUDO QUE PRECISAVA, ALIÁS, NAQUELA CASA EU ERA TRATADA POR TODOS COMO UMA PRINCESA.

COM O TEMPO FUI PERCEBENDO QUE QUANDO USAVA MINISSAIA, OU UMA CAMISETA MAIS CAVADA ONDE MOSTRAVA PARTE DOS MEUS SEIOS, OU ATÉ MESMO UM SHORT DE LYCRA QUE RESSALTAVA O RELEVO DA MINHA BUCETINHA, DINHO SEMPRE FICAVA ME OBSERVANDO PELOS CANTOS DA CASA.
CANSEI DE VÊ-LO TENTANDO ESCONDER O VOLUME QUE FORMAVA SOBRE SUA BERMUDA E DEPOIS DISFARÇADAMENTE CORRIA PRO BANHEIRO SE ALIVIAR NUMA PUNHETA, COISA DE MENINOS,

CONFESSO QUE ME DIVERTIA COM AQUILO, E ATÉ GOSTAVA DE SER SUA MUSA INSPIRADORA. CERTO DIA ESTAVA COM UMA MINISSAIA BEM CURTINHA E UMA CAMISETINHA REGATA UM POUCO FOLGADA QUE PEGUEI DO MEU MARIDO, NOTEI QUE MEU CUNHADINHO DA SALA ME CUIDAVA DISFARÇADAMENTE. ENTÃO PARA DAR VAZÃO AS SUAS FANTASIAS, FUI ATÉ UM CANTO DA COZINHA, ENROLEI MINHA CALCINHA E ENTERREI NO MEU REGUINHO DEIXANDO MINHA BUNDINHA TOTALMENTE LIVRE E PARTE DA MINHA BUCETINHA, POIS A CALCINHA ENTROU NO MEIO SEPARANDO-A EM DUAS PARTES. FINGI NÃO PERCEBÊ-LO, ME ABAIXEI NA PIA DA COZINHA FAZENDO DE CONTA QUE ESTAVA ARRUMANDO AS PANELAS E EMPINEI MINHA BUNDINHA O MÁXIMO QUE PUDE PARA FACILITAR SUA VISÃO, FIQUEI UM TEMPO NAQUELA POSIÇÃO IMAGINANDO A CARA DO MEU CUNHADINHO ME VENDO DAQUELE JEITO.

APÓS ALGUM TEMPO, ME LEVANTEI SEM OLHAR PRA TRÁS, DEI ALGUNS SEGUNDOS PARA MEU CUNHADINHO SE RECUPERAR E VOLTEI PRA SALA. MEU CUNHADINHO ESTAVA PÁLIDO COM AS MÃOS SOBRE O PAU TENTANDO ESCONDER SUA EREÇÃO AINDA NÃO ACREDITANDO NO QUE TINHA VISTO, E PARA PROVOCÁ-LO AINDA MAIS, ME AJOELHEI NA SUA FRENTE FINGINDO PROCURAR UMAS REVISTAS NA MESA DE CENTRO E MEUS SEIOS FICARAM TOTALMENTE EXPOSTOS AO SEU OLHAR. PEGUEI UMA REVISTA E SENTEI NO SOFÁ FINGINDO QUE ESTAVA CONCENTRADA NA LEITURA, MAS SÓ OBSERVANDO SUA REAÇÃO,

NÃO DEU OUTRA, MEU CUNHADINHO DISFARÇADAMENTE CORREU PARA A LAVANDERIA QUE FICAVA NUMA EDÍCULA NOS FUNDOS DA CASA, DEI UM TEMPO, E SEM FAZER BARULHO FUI EXPIAR O QUE MEU CUNHADINHO ESTAVA FAZENDO. DINHO PENSANDO QUE EU ESTAVA NA SALA LENDO, SE DESCUIDOU UM POUCO E PUDE VER ELE DE COSTAS  SE MASTURBANDO.

FIQUEI NUM CANTO DA JANELA, MAS DE ONDE EU ESTAVA SÓ DAVA PRA VER SEUS MOVIMENTOS, NÃO SEI POR QUE, MAS ESTAVA LOUCA DE CURIOSIDADE PARA VER SEU PAUZINHO, A QUAL NÃO FOI MINHA SURPRESA QUANDO ELE SE VIROU DE LADO E PUDE VER QUE DE PAUZINHO NÃO TINHA NADA, POIS ERA BEM MAIOR E MAIS GROSSO QUE O DO MEU MARIDO QUE MEDIA 16 CM.

DINHO SE MASTURBAVA CHEIRANDO UMA DE MINHAS CALCINHAS QUE ESTAVA PARA LAVAR, DERREPENTE DINHO SE ENCOLHEU E VI VÁRIAS GOLFADAS DE PORRA SAINDO DO SEU PÊNIS ENORME, CONFESSO QUE NÃO PENSAVA QUE UM MENINO RAQUÍTICO COMO ELE PUDESSE TER UMA FERRAMENTA TÃO GRANDE.

A PARTIR DESTE DIA, SEMPRE QUE ESTAVA TRANSANDO COM MEU MARIDO PENSAVA NO PAU DO MEU CUNHADINHO E GOZAVA COMO LOUCA. SABENDO QUE MEU CUNHADINHO SE ACABAVA NA PUNHETA CHEIRANDO MINHAS CALCINHAS,

RESOLVI PROVOCÁ-LO AINDA MAIS, E TODA VEZ QUE IA TOMAR MEU BANHO, ANTES, ME MASTURBAVA E DEIXAVA MINHAS CALCINHAS BEM MOLHADINHAS PRO MEU CUNHADINHO CHEIRAR E ME HOMENAGEAR. ESTAVA LOUCA DE VONTADE DE DAR PRO MEU CUNHADINHO, MAS ISSO NÃO PASSAVA DE UMA FANTASIA, POIS NAQUELA ÉPOCA, NUNCA TERIA CORAGEM DE TRAIR MEU MARIDO, E TAMBÉM NÃO SABIA QUAL SERIA A REAÇÃO DO MENINO SE ME OFERECESSE PRA ELE,

PORTANTO DESISTI DESTA IDÉIA, MAS SEMPRE QUE FAZIA UMA CHUPETA PRO MEU MARIDO IMAGINAVA O PAU DO DINHO NA MINHA BOCA.

COM O TEMPO, FOMOS PEGANDO INTIMIDADE E MEU CUNHADINHO FOI SE SOLTANDO CADA VEZ MAIS. AGORA QUANDO IA RECOLHER AS ROUPAS PARA LAVAR, PERCEBIA QUE MINHAS CALCINHAS ESTAVAM MELADAS DE PORRA NO MEIO, O DANADINHO GOZAVA E SE LIMPAVA NELAS. CERTO DIA QUANDO ENTREI NO BANHEIRO, PEGUEI NO FLAGRA MEU CUNHADINHO SE MASTURBANDO E CHEIRANDO UMA DAS MINHAS CALCINHAS. FINGI ESTAR INDIGNADA COM AQUILO E DISSE AOS GRITOS.

- O QUE É ISSO DINHO? - IMAGINE SE SEU IRMÃO SAIBA O QUE VOCÊ ANDA FAZENDO? - PENSA QUE NÃO PERCEBI MINHAS CALCINHAS TODAS GOZADAS QUANDO VOU LAVÁ-LAS? – O QUE SUA MÃE VAI FAZER COM VOCÊ QUANDO CONTAR A ELA SUAS PERIPÉCIAS? O PAU DO MEU CUNHADINHO MURCHOU NA HORA COM O SUSTO, NOTEI QUE MESMO MOLE CONTINUAVA GRANDE. MEU CUNHADINHO TRÊMULO DE CABEÇA ABAIXO, SÓ BALBUCIAVA UMAS DESCULPAS QUASE CHORANDO DE VERGONHA, PEDINDO PELO AMOR DE DEUS PARA QUE NÃO CONTASSE PRA SUA MÃE E SEU IRMÃO.

ACHO QUE FUI MUITO CONVINCENTE NA MINHA ENCENAÇÃO, E PRA ACABAR DE VEZ COM MEU CUNHADINHO, FINGI ESTAR INCONFORMADA E CHORANDO ENTREI NO MEU QUARTO BATENDO A PORTA COM FORÇA. DENTRO DO MEU QUARTO EU RIA POR DENTRO LEMBRANDO A CARA DO CUNHADINHO NA HORA DO FLAGRA. DEITEI NA MINHA CAMA AFASTEI MINHA CALCINHA PRO LADO E COMECEI A ME MASTURBAR PENSANDO NA CENA QUE TINHA PRESENCIADO A POUCO E GOZEI BEM GOSTOSO.

NÃO DEMOROU MEU CUNHADINHO BATEU NA PORTA PEDINDO PRA CONVERSAR COMIGO. ESFREGUEI AS MÃOS NOS MEUS OLHOS, FUI ATÉ O ESPELHO E VI QUE ESTAVAM BEM VERMELHOS, ABRI A PORTA COM UMA CARA DE QUEM TINHA CHORADO MUITO E DISSE: - O QUE VOCÊ QUER DE MIM? - COMO VOCÊ ACHA QUE ESTOU SENTINDO VENDO VOCÊ SE MASTURBAR CHEIRANDO MINHAS CALCINHAS? È SOBRE ISTO QUE QUERO FALAR COM VOCÊ! DISSE. – ME DESCULPE ISTO NÃO VAI MAIS ACONTECER, JURO POR DEUS, POR FAVOR, NÃO CONTE PRO CARLOS E NEM PRA MÃE, ELES VÃO ME MATAR. NESTA HORA PERCEBI O QUANTO MEU CUNHADINHO ESTAVA PERTURBADO, ENTÃO RESOLVI AMENIZAR A SITUAÇÃO, MAS MANTENDO ELE EM MINHAS MÃOS.

PERGUNTEI A ELE: - NÃO É MELHOR VOCÊ TRANSAR COM SUA NAMORADINHA EM VEZ DE FICAR SE MASTURBANDO CHEIRANDO MINHAS CALCINHAS? - EU NUNCA TIVE UMA NAMORADA, E MESMO QUE TIVESSE, SERIA MUITO DIFÍCIL PRA MIM DEVIDO MEU MEDO DE NÃO CONSEGUIR FAZER DIREITO, DISSE MEU CUNHADINHO. - ENTÃO QUER DIZER QUE VOCÊ AINDA É VIRGEM? DISSE APARENTANDO SURPRESA. - VOCÊ NÃO VAI RIR DE MIM, VAI? – CLARO QUE NÃO DISSE. - EU NUNCA TIVE COM UMA MULHER, NÃO TENHO MUITA SORTE COM AS MENINAS, O QUE SEI SOBRE SEXO É O QUE VEJO EM REVISTA E FILMES PORNÔS, ENTÃO QUANDO VOCÊ VEIO MORAR CONOSCO, AO VER SUAS CALCINHAS NO CESTO DE ROUPAS SUJAS NÃO RESISTI E COMECEI A BATER PUNHETA CHEIRANDO ELAS. - VOCÊ PENSA EM MIM QUANDO ESTÁ SE MASTURBANDO? PERGUNTEI. GAGUEJANDO MEU CUNHADINHO DISSE QUE PENSAVA SIM, E PEDIU NOVAMENTE PELO AMOR DE DEUS PARA NÃO CONTAR PRO SEU IRMÃO. ME FEZ JURAR QUE NÃO CONTARIA.

PARA GANHAR NOVAMENTE A CONFIANÇA DO MEU CUNHADINHO DISSE: - DINHO, A PARTIR DE HOJE ESSE VAI SER NOSSO SEGREDO, E SE CONTINUAR BONZINHO COMIGO, PROMETO QUE VOU TE AJUDAR A PERDER O MEDO DE MULHER, VOCÊ SÓ PRECISA SER CONFIANTE, POIS MATERIAL VOCÊ TEM DE SOBRA, PORTANTO, AGORA QUERO QUE CONTINUE O QUE ESTAVA FAZENDO QUANDO ENTREI NO BANHEIRO. MEU CUNHADINHO VERMELHO DE VERGONHA DISSE: - AGORA? - NA SUA FRENTE? - CLARO DISSE! – NÃO PRECISA TER VERGONHA DE MIM TÁ BOM? VAI SER NOSSO SEGREDO LEMBRA?

COMO MEU CUNHADINHO ESTAVA TRAVADO DE MEDO, DISSE: - VOU TE AJUDAR, MAIS VOCÊ NÃO PODE ME TOCAR TÁ BOM? MEU CUNHADINHO FICOU SENTADO NO PÉ DA CAMA, SUBI ATÉ A CABECEIRA, SENTEI-ME E ABRI MINHAS PERNAS FICANDO TOTALMENTE EXPOSTA AO OLHAR HIPNOTIZADO DO DINHO QUE IMAGINAVA O QUE TERIA POR BAIXO DA MINHA CALCINHA. ELE FEZ UMA CARA DE ESPANTO QUANDO A PUXEI DE LADO E PELA PRIMEIRA VEZ NA VIDA ELE VIA UMA BUCETINHA TÃO DE PERTO. SEU PAU ESTAVA ENORME DENTRO DA BERMUDA, ENTÃO PEDI PRA ELE TIRAR PRA FORA E ME ACOMPANHAR NUMA MASTURBAÇÃO.

DINHO ABAIXOU A BERMUDA LIBERANDO AQUELE CACETE DE DAR INVEJA A MUITOS HOMENS FORMADOS. MEIO TÍMIDO ELE COMEÇOU ALISANDO SEU PAU, ENQUANTO EU GOZAVA COM MEUS DEDOS ATOLADOS NA MINHA BUCETINHA AO MESMO TEMPO EM QUE VIA MEU CUNHADINHO TIMIDAMENTE COM AQUELE PAU ENORME SE MASTURBANDO NA MINHA FRENTE.

QUANDO GOZEI, RETIREI MINHA CALCINHA LENTAMENTE E ENFIEI PARTE DELA NA MINHA RAXINHA TODA MOLHADA, QUANDO UMEDECEU, A TIREI BEM DEVAGAR E JOGUEI PRO MEU CUNHADINHO QUE AGARROU COMO UM DESESPERADO ESFREGANDO NO NARIZ SENTINDO MEU CHEIRO, E EM POUCOS SEGUNDOS, LAVOU MINHA CAMA DE PORRA. PARA SENTIR SEU GOSTO, MOLHEI OS DEDOS NA SUA PORRA E LEVEI A BOCA CHUPANDO ATÉ FICAR LIMPINHOS.

DINHO MESMO TENDO GOZADO CONTINUAVA COM O PAU DURÍSSIMO APONTANDO PRA MIM E ME PEDIU: - ME DEIXA POR MEU PAU PELO MENOS UM POUQUINHO NA SUA BUCETINHA? - NÃO DINHO, VOCÊ NÃO PODE POR SEU PAU NA MINHA BUCETINHA, SERIA UMA TRAIÇÃO COM SEU IRMÃO, E ALÉM DO MAIS, ESTAMOS SEM PRESERVATIVOS, IMAGINA SE EU FICO GRÁVIDA? - ME DEIXA POR NA SUA BUNDINHA ENTÃO! - VOCÊ ESTÁ LOUCO SEU SAFADINHO? DISSE SORRINDO. - NÃO AGÜENTO COM O PAU DO SEU IRMÃO QUE É MENOR E MAIS FINO, IMAGINA AGÜENTAR ESSA TORA NO MEU CUZINHO? – E O QUE VOU DIZER PRO SEU IRMÃO QUANDO ELE PERCEBER QUE MEU CU ESTÁ TODO ARROMBADO?- SE CONTROLE SEU MALANDRINHO TÁ BOM?

CONFESSO QUE TIVE VONTADE DE DAR MINHA BUNDINHA PRO MEU CUNHADINHO, MAS ERA UMA MISSÃO IMPOSSÍVEL, POIS TODAS AS TENTATIVAS DO SEU IRMÃO EM COMER MEU CUZINHO ACABAVAM EM DESISTÊNCIA, POIS SENTIA MUITA DOR. DINHO CONTINUAVA ALISANDO SEU PAU COM UM OLHAR PIDÃO NA MINHA BUCETINHA, POIS EU CONTINUAVA SENTADA COM AS PERNAS ESCANCARADA NA SUA FRENTE. DEU-ME UMA PENINHA DELE, ENTÃO RESOLVI CEDER UM POUCO JÁ QUE TINHA CHEGADO ATÉ ALI. - DINHO VOCÊ QUER TOCAR NA MINHA BUCETINHA? PERGUNTEI. - CLARO QUE SIM, DISSE MEU CUNHADINHO RADIANTE DE ALEGRIA. - PRESTE ATENÇÃO, VAI SER SÓ ESTA VEZ TÁ BOM? MEU CUNHADINHO PARECIA HIPNOTIZADO NA MINHA BUCETINHA, COMEÇOU A ME TOCAR COM A MÃO MEIO TRÊMULA E FOI APALPANDO ATÉ EMPALMAR E APERTÁ-LA QUASE MACHUCANDO. - DEVAGAR, DISSE. - SE QUISER AGRADAR AS MULHERES TEM QUE TRATÁ-LAS COM CARINHO.

PEGUEI SUA MÃO E GUIEI ATÉ MEU GRELINHO E FUI ENSINANDO A MASSAGEÁ-LO, MEU CUNHADINHO APRENDEU RÁPIDO E QUANDO ELE ENFIOU OS DEDOS NA MINHA BUCETINHA E COMEÇOU A ME FODER COM A MÃO, NÃO AGÜENTEI E TIVE MEU PRIMEIRO ORGASMO COM MEU CUNHADINHO ME TOCANDO. DINHO RETIROU SEUS DEDOS DA MINHA BUCETA E LEVOU A BOCA PARA SENTIR MEU GOSTO, ELE SE DELICIOU TANTO COM MEU NÉCTAR QUE RESOLVI CEDER UM POUCO MAIS E PERGUNTEI: - QUER CHUPAR MINHA BUCETINHA, QUER? - TUDO QUE EU QUERO NESTE MOMENTO É CHUPAR SUA BUCETA ÂNGELA. - DEIXA VAI, POR FAVOR! - TA BOM, ENTÃO VEM EXPERIMENTAR A PRIMEIRA BUCETINHA DA SUA VIDA, VEM! DISSE JÁ EMPURRANDO SUA CABEÇA PRO MEIO DAS MINHAS PERNAS. MEU CUNHADINHO NESTE MOMENTO NÃO LEMBRAVA NADA DAQUELE MENINO TÍMIDO DO COMEÇO DO CONTO. ELE ME CHUPAVA TÃO AFOITO QUE ÀS VEZES PENSAVA QUE IA ME VIRAR AOS AVESSOS. - VAI COM CALMA DINHO, LEMBRA QUANDO FALEI QUE MULHER GOSTA COM CARINHO? - DESCULPE-ME! NÃO VOU ME ESQUECER MAIS, PROMETO.

AGORA BEM MAIS CALMO, MEU CUNHADINHO ME CHUPAVA MARAVILHOSAMENTE BEM. ENFIAVA A LÍNGUA BEM FUNDO NA MINHA BUCETINHA, E DEPOIS MORDIA CARINHOSAMENTE MEU GRELINHO, CONFESSO QUE ESTAVA ORGULHOSA, POIS ELE ESTAVA SE MOSTRANDO UM ÓTIMO APRENDIZ, E COM CERTEZA A PARTIR DAQUELE DIA IA SE TORNAR UM EXCELENTE AMANTE. EU COMO UMA BOA PROFESSORA, SEGURAVA SUA CABEÇA E ESFREGAVA MINHA BUCETA NA BOCA DO CUNHADINHO QUE COM COMPETÊNCIA ME RETRIBUÍA EM FORMA DE PRAZER. SUA LÍNGUA DELICIOSA ME LEVAVA À LOUCURA, ESTAVA QUEBRANDO TODAS AS BARREIRAS QUE EXISTIA

ENTRE NÓS. DERREPENTE UMA ONDA DE CALOR COMEÇOU A PERCORRER MEU CORPO COMO SE TIVESSE RECEBENDO UMA DESCARGA ELÉTRICA ENTÃO COMECEI A GRITAR. - NÃO PARA DINHO! EU VOU GOZAR! AIIIIII QUE DELÍCIA. UUUIIIIIII!!!!! PUXEI SUA CABEÇA CONTRA MINHA BUCETA E MEU CORPO NÃO PARAVA DE TREMER DESPEJANDO UMA CASCATA DE LÍQUIDO NA BOCA DO MEU CUNHADINHO QUE SUGOU ATÉ A ÚLTIMA GOTA DO MELHOR ORGASMO QUE TIVE ATÉ O MOMENTO NA BOCA DE UM HOMEM.

 QUANDO ME RECUPEREI, PERCEBI QUE CONTINUAVA PRENSANDO A CABEÇA DO MEU CUNHADINHO CONTRA MINHA BUCETA, ENTÃO O SOLTEI E COMECEI ACARICIAR SUA CABEÇA E PASSANDO A MÃO POR SEU ROSTO MEIO ASSUSTADO, MAS AO MESMO TEMPO REALIZADO E FELIZ POR TER SATISFEITO UMA MULHER EM SUA PRIMEIRA VEZ, E COM UM DETALHE, SEM HAVER PENETRAÇÃO.

NÃO TIVE MUITOS NAMORADOS ANTES DE ME CASAR COM CARLOS, MAS NEM UM DELES ME FEZ GOZAR TÃO GOSTOSO COMO MEU CUNHADINHO, TALVEZ SEJA PELA FORMA QUE ACONTECEU, TALVEZ SEJA PELO FRUTO PROIBIDO, SÓ SEI QUE FOI MARAVILHOSO PRA MIM.

PUXEI MEU CUNHADINHO PRA JUNTO DE MIM ABRACEI FORTE SEU CORPO FRANZINO ELOGIANDO SEU DESEMPENHO, DEI UM SELINHO CARINHOSO EM SEUS LÁBIOS E DISSE QUE RETRIBUIRIA DA MESMA FORMA O PRAZER QUE TINHA ME PROPORCIONADO. DESLIZEI-ME ATÉ SEUS PÉS E QUANDO ABAIXEI SUA BERMUDA, PERCEBI QUE MEU CUNHADINHO TINHA GOZADO SEM SE TOCAR, MAS SEU PAU CONTINUAVA EXTREMAMENTE DURO. - VOCÊ GOZOU ENQUANTO CHUPAVA MINHA BUCETA SAFADINHO? DISSE SORRINDO. - GOZEI SIM, PELA PRIMEIRA VEZ COM UMA MULHER DISSE TODO ORGULHOSO. - ENTÃO AGORA, VOU FAZER VOCÊ GOZAR NOVAMENTE TÁ BOM?

PEGUEI AQUELE PAU ENORME TODO MELADO DE PORRA E PUS NA BOCA SUGANDO TODA A PORRA QUE ESTAVA NELE DEIXANDO LIMPINHO. COMECEI LAMBENDO AQUELA CABEÇORRA QUE MAL CABIA NA MINHA BOCA, ACHAVA DESPROPORCIONAL O TAMANHO DAQUELE CACETE PARA UM GAROTO FRANZINO COMO DINHO, A NATUREZA REALMENTE TINHA SIDO GENEROSA COM ELE NAQUELE QUESITO. MEU CUNHADINHO GEMIA ENQUANTO SUGAVA SEU PAU. BRINCAVA COM MINHA LÍNGUA NAQUELA CABEÇORRA, DEPOIS ENGOLIA O QUANTO PODIA DANDO MORDIDINHA NO CORPO DAQUELE CACETE. ENGOLIA NOVAMENTE ORA BRINCANDO COM SEUS TESTÍCULOS DEPOIS VOLTAVA PRA CABEÇA NOVAMENTE. QUANDO ABOCANHEI SEU PAU O MAXIMO QUE PUDE, MEU CUNHADINHO POR INSTINTO FORÇOU A ENTRADA DO SEU PAU AINDA MAIS NA MINHA BOCA ATINGINDO MINHA GARGANTA, ME ENGASGUEI E QUASE VOMITEI, ENTÃO COM UMA MÃO SEGUREI SEU CACETE ENQUANTO CHUPAVA SÓ A PARTE QUE SOBRAVA CONTROLANDO SUAS INVESTIDAS. DESCIA COM A LÍNGUA ATÉ SEU SACO E CHUPAVA LEVEMENTE. COLOCAVA SEUS GRÃOS NA MINHA BOCA BRINCAVA UM POUCO E DEPOIS VOLTAVA CHUPANDO ATÉ CHEGAR À CABEÇA E ENGOLIR NOVAMENTE. QUANDO NOVAMENTE ABOCANHEI SEU PAU, E COMECEI A PUNHETÁ-LO, MEU CUNHADINHO NÃO AGÜENTOU E INUNDOU MINHA BOCA DE PORRA SEM ANTES ME AVISAR. QUANDO PENSEI QUE TINHA ACABADO FUI RECLAMAR POR NÃO TER ME AVISADO E FUI SURPREENDIDO POR MAIS UMA GOLFADA QUE ATINGIU MEU ROSTO.

- DESCULPE ME DISSE MEU CUNHADINHO: - NÃO DEU TEMPO DE AVISAR. OLHEI PRA ELE COM A CARA E A BOCA CHEIO DE PORRA. ABRI A BOCA PARA MOSTRAR A QUANTIDADE DE PORRA QUE ESTAVA NELA E ENGOLI. LIMPEI COM A MÃO UM FILETE DE PORRA QUE ESCORRIA PELO MEU ROSTO, E LEVEI ATÉ MINHA BOCA SUGANDO-A DEIXANDO LIMPINHA. SORRI PRO MEU CUNHADINHO DIZENDO QUE ESTAVA DESCULPADO E VOLTEI PARA LIMPAR OS VESTÍGIOS DE PORRA QUE RESTAVA NO SEU CACETE.

ESTAVA LOUCA DE VONTADE SENTIR AQUELE PAU DENTRO DE MIM, MAS NA MINHA CABEÇA, JÁ TÍNHAMOS IDO LONGE DE MAIS.

A PARTIR DESSE DIA DINHO ERA OUTRA PESSOA, NÃO FICAVA MAIS ESCONDIDOS PELOS CANTOS ME CUIDANDO. SEMPRE QUE ESTÁVAMOS A SÓS EM CASA ELE ME CONFIDENCIAVA SEUS SEGREDOS. ALGUM TEMPO DEPOIS DINHO ARRANJOU UMA NAMORADINHA NO COLÉGIO E PERDEU A VIRGINDADE COM ELA EM UM DIA QUE FOI FAZER TRABALHO ESCOLAR NA CASA DELA E OS PAIS DELA TINHAM SAÍDOS.

ENQUANTO MOREI COM MINHA SOGRA, SEMPRE QUE ESTAVA CARENTE, ME CONSOLAVA COM A LÍNGUA DELICIOSA DO MEU CUNHADINHO NA MINHA BUCETINHA, DEPOIS RETRIBUÍA COM UMA BELA CHUPADA NAQUELA VARA QUE ME DAVA TANTO PRAZER, MESMO SEM NUNCA TER HAVIDO PENETRAÇÃO ENTRE NÓS.

QUANDO NOSSO APARTAMENTO FICOU PRONTO, CONFESSO QUE SENTI FALTA DAS CHUPADAS QUE MEU CUNHADINHO ME DAVA E DAS GOZADAS QUE ENCHIA MINHA BOCA DE PORRA.

 O TEMPO PASSOU E MEU CUNHADINHO SE TORNOU UM HOMEM MUITO ATRAENTE, NÃO LEMBRAVA QUASE NADA DAQUELE MENINO RAQUÍTICO DE TEMPO ATRÁS. DINHO CASOU COM CRISTINA, UMA LOIRA LINDÍSSIMA. MEU MARIDO O CARLOS, VIVIA FAZENDO BRINCADEIRAS COM ELA. PRA MIM ELES TINHAM UM CASO, E EU REMOIA DE CIÚMES POR DENTRO, ENTÃO COMECEI A SEDUZIR MEU CUNHADO NOVAMENTE, E DESTA VEZ NOSSOS ENCONTROS SÓ NÃO ROLAVA SEXO ANAL PORQUE AINDA NÃO AGÜENTAVA SEU PAU NO MEU CUZINHO, MAS PRO MEU MARIDO EU LIBERAVA DE VEZ EM QUANDO.

SEMPRE QUE MEU MARIDO VIAJAVA A NEGÓCIOS, EU ME ENCONTRAVA COM DINHO. NO COMEÇO NOS ENCONTRÁVAMOS EM MOTÉIS, MAS COM O TEMPO, PASSAMOS A NOS ENCONTRAR EM CASA MESMO. BASTAVA MEU MARIDO VIAJAR E DINHO INVENTAVA UMA PARTIDA DE FUTEBOL PRA SUA ESPOSA E IA PRA MINHA CASA ONDE APÓS UMA CHUPADA DELICIOSA, ARROMBAVA MINHA BUCETA COM SEU CACETE ENORME. MINHA BUCETINHA JÁ NÃO ERA A MESMA DEPOIS QUE COMECEI A DAR PRO DINHO, CADA SESSÃO DE SEXO COM MEU CUNHADINHO TINHA QUE FICAR PELO MENOS DOIS DIAS SEM DAR PRO MEU MARIDO PRA ELE NÃO DESCONFIAR.

 COM O TEMPO FOMOS FICANDO DESCUIDADOS ATÉ QUE UM DIA MEU MARIDO VOLTOU DE UMA VIAGEM ANTES DO PREVISTO E NOS FLAGROU TRANSANDO NA NOSSA CAMA. DESCOBRI DA MANEIRA MAIS CRUEL QUE MEU MARIDO ATÉ AQUELE MOMENTO NUNCA TINHA TIDO UM CASO COM MINHA CONCUNHADA A CRISTINA.



domingo, 27 de março de 2016

Fantasias de uma mulher carente

conto de Leandro

Sempre adorei ficar na Internet conversando com diversas pessoas ao mesmo tempo. Era algo que me dava prazer, conhecer
pessoas de outros lugares do Brasil e do mundo. Um dia, enquanto estava navegando, tive o privilégio de conhecer a Márcia. Ela era uma mulher casada, de 30 anos e que morava em Sao Paulo. O único problema era que eu morava em Sao Luis do Maranhao e nao poderia nunca conhece-la, pensei.
Tudo bem, afinal de contas nao seria a primeira que aconteceria isso. Mas,papo vem papo vai, resolvi arriscar para ver se ela gostaria de me dar o numero do telefone, para que pudessemos conversar mais sobre qualquer assunto que fosse. Esse papo de internet ja estava me deixando chateado.  Queria mesmo era ouvir sua voz.
Para minha surpresa, ela me deu o telefone. Nossa ! Fiquei excitadissimo quando vi aquele telefone estampado na tela do PC ! No mesmo instante resolvi ligar e a voz que atendeu era muito sensual. Eu queria mesmo conhece-la. Ficamos conversando e nada mais do que isso. Mas eu queria conversar mais e mais com ela.
Foi quando, numa bela noite, ela me disse que andava muito carente e que seu marido não estava satisfazendo ela  e que gostaria de estar com alguem naquele momento. Eu estava sem namorada e disse que tambem gostaria de estar ali com ela, deitada no meu colo e eu fazendo um carinho nela.
Bem, eu sei que com o desenrolar da conversa, em pouco tempo estavamos excitadissimos e com vontade de fazermos amor um com o outro. Falávamos coisas excitantes um ao outro e, quando eu consegui fazer ela ter diversos orgasmos, eu perguntei que fantasia ela tinha. Ela me disse que era fazer amor com outra mulher mas que nunca havia tido a oportunidade. Achei aquilo estupendo ! Afinal de contas, era uma mulher bonita ( ja havia mandado uma foto sua ) e queria fazer justamente o que eu mais gostava de ver: duas mulheres se amando.
Mas fiquei meio decepcionado de morar tao longe.
Foi quando, no mes de Novembro desse ano, eu tive de ir até São Paulo à trabalho . Eu fiquei uma semana,liguei ,querendo encontrar com ela. Ficamos loucos de tesão um pelo outro,mas só conseguimos nos encontrar no fim de semana,quando seu marido estava indo viajar a trabalho.
No dia combinado, comprei um vinho. Era um vinho importado, portugues.
Cheguei lá em 2 horas. É claro que demorei, afinal de contas eu tinha de dar tempo para ela se arrumar. Voces sabem como
são as mulheres...
Ao chegar, toquei a campainha e fui atendido por ela. Nunca pude imaginar que ela seria mais linda ao vivo e a cores. Ela usava uma saia curta, que marcava bem suas curvas. Um top e o seu perfume estava maravilhoso. Ela é bem branquinha, com cabelos claros. Seus olhos sao castanhos claros e ela tem um sorriso magnifico. Eu, por minha vez, sou moreno, cabelos lisos,negros, sou malhadinho, 1,70m.
Ao abraca-la, senti o frescor do seu corpo, que cheirava a hidratante. Ela me levou até a sala e foi a cozinha, dizendo que não demorava muito voltaria. Logo voltou com duas tavas de vinho e logo abrimos e comecamos a bebericar.Logo me vi dancando com aquela mulher maravilhosa. Ela estava bastante alegre.
Foi quando senti suas maos deslizando por sobre a minha calça, tocando minha bunda. Como nao sou bobo, logo comecei a
tocar a sua bunda tambem. Ficamos dancando e falando coisas de namorado ao pé do ouvido, tal como "voce esta linda hoje", "gostaria de dancar contigo a noite inteira", etc ...
FUi puxando ela para perto do sofa, pois sabia que alguma coisa iria rolar naquela noite. Sentei na beirada do sofa e ela se pos na minha frente.Fiquei na altura do seu umbigo. Comecei a beija-lo e a lambe-lo, nao me esquecendo de tocar sua bundinha gostosa .
Ela comecou a ficar excitada e comecei a tocar sua perna pela parte de dentro e fui subindo por dentro de sua saia. Foi quando toquei a sua vagina por cima da calcinha e ela deu um gemido baixinho. Senti como estava úmida aquela gatinha. Me levantei e pedi que ela nos guiasse até o seu quarto.
Lá chegando, fui deitando ela na cama e beijando sua boca.Sentir aqueles lábios foi algo fantástico ! A maciez, o sabor doce. Sua língua a me invadir a boca ... Fui beijando seu pescoço até chegar a altura dos seios, pequenos mas deliciosos. Tirei seu top e, pela 1a. vez, pude ver seios tao perfeitos. Redondinhos com os mamilos rosados. Comecei a lambe-los com vontade ... A maciez de seu corpo deixava meu corpo em extase total ... Fui descendo e tirei sua saia e pude ver uma calcinha totalmente molhada onde sua fenda estava marcada por sob a mesma ... Comecei a dedilhar sua vagina,dando atencao a regiao do clitóris. Ela gemia baixinho. Foi quando resolvi tirar a calcinha.
Senti o cheiro de seu sexo e ataquei com a boca. Minha lingua lambia e sentia o sabor daquela vagina gostosa, quente, suculenta ... Enfiava a minha lingua em sua vagina enquanto acariciava seus seios ... Até que ela me pediu prá tirar minha roupa. Quando estava apenas de cueca, ela  disse que gostaria ela mesma de tirar a cueca. Eu deitei e ela veio por cima de mim. Ficou massageando meu penis e tirou a cueca. Ficou olhando para ele por um momento o engoliu de vez ... Fui ao ceu e voltei ! Ela me chupava gostoso e podia sentir a sua lingua, macia, me tocando a glande ... Eu queria gozar dentro daquela boquinha mas queria tambem continuar a fazer outras coisas. Foi quando ela tirou o meu penis de sua boca e me disse que gostaria de sentir meu cacete dentro dela . Nao tive duvida, vim por cima dela e comecei a penetra-la gostoso, num tipico papai-mamae. Sua vagina parecia que iria me engolir. As paredes dela ficavam me apertando ... Parecia que ela era virgem. Fiquei enfiando gostoso até que ela e eu gozamos ,quase ao mesmo tempo.
Cai desfalecido e olhei para o relógio. Após alguns minutos, me levantei perguntando onde era a cozinha e se poderia pegar agua para nos refrescar. Ela me deu a indicacao e lá fui eu. Ao voltar com a agua, me deitei ao lado dela e disse que ela teria uma surpresa dentro em pouco.
Em 35 minutos, mais ou menos, a campainha da porta tocou. Ela ficou assustada, pensando que era seu marido, que teria adiado a viagem .Eu falei para ela ficar calma que eu iria verificar. Da porta mesmo eu gritei que nao era ninguem, que era apenas brincadeira de algumas criancas, provavelmente.

Ela se tranquilizou e voltou a se deitar. Entrei no quarto e peguei uma bandana que eu havia trazido comigo e a vendei, dizendo que agora eu poderia mostrar a surpresa. Ela riu dizendo que nao poderia ver a surpresa.
Entao, ela sentiu uma mao tocando seus seios e ela ficou falando:
- Ah, Léo. Assim nao vale. Voce fica me tocando mas nao posso saber onde está você. Foi quando ela esticou o braço e tocou em alguem. Ela parou e tirou a bandana. Foi quando ela se deparou com uma mulher muito gostosa ,que estava nua na frente dela. Ela me olhou e eu disse:

- Ai está a surpresa. Agora é só matar sua curiosidade. Ela sorriu como crianca que recebe um presente. Ficou lambendo a sua vagina por muito tempo, até que se levantou e ficou na posição 69. Uma começou a lamber a outra até que ficaram excitadas loucamente.
Foi quando Márcia abriu as pernas e pediu para sentir a vagina da gostosa em sua vagina. Elas ficaram rocando uma vagina na outra, gozando. Era como ver lábios se juntando. Os grandes lábios se esfregavam e os clitóris, já durinhos,inchados davam prazer imenso às duas. Foi quando gozaram e largaram os corpos, cansadas. Depois daquela seçao, a gostosa foi embora e eu deitei com Márcia. Fiquei na posição de colher com ela e dormimos. No dia seguinte, sábado, passamos o dia inteiro fazendo fodendo .

 DOmingo convidamos outra mulher, mas dessa vez Márcia queria uma morena com uma vagina bem fofa. Foi o final de semana mais maravilhoso que já tive em toda a minha vida. Hoje, nos falamos pela net, mas espero algum dia poder encontra-la novamente (leo27@gmail.com)

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015